O Homem nas Escadas do Templo

Na parte norte da cidade de Pompeia situava-se o Templo de Apolo. Nas escadas deste Templo, vivia um homem jovem que não tendo mais nenhum sitio onde passar as suas noites, se encolhia junto da porta do Templo. Os Sacerdotes do Templo conheciam-no bem, e por caridade deixavam-lhe comida todas as manhas antes de sair para recolher a agua lustra para as lavagens da câmara principal. Mês após mês, o homem recolhia-se nas escadas do Templo, ouvindo os ecos das conversas dos Sacerdotes que chegavam a porta. Expressões e preces, ecoavam desde a câmara principal ate a porta e o homem ouvia com atenção, tentando perceber e fazer sentido dos ecos. Passado algum tempo, o homem decidiu que quando os Sacerdotes saíssem do Templo, ele iria-lhes perguntar sobre as preces, sobre a vida do Sacerdócio, sobre a natureza dos Deuses, e os mistérios da vida e da morte. Inspirado pelos ecos que ouvia durante a noite, o homem saia das escadas e pregava aos que passavam na Via principal como um louco, interpretando os ecos ouvidos no Templo, e falando sobre os Deuses e sobre os rituais e o Templo. Todas as manhas, antes dos Sacerdotes descerem as escadas, ele ouvia com atenção os ecos que chegavam das preces a Apolo. Ele ouvia apenas ecos e mesmo quando não ouvia tudo, tentava interpretar os ecos e substituir o que ouvia por palavras que lhe faziam sentido. Ele queria perceber, queria fazer o mesmo que os Sacerdotes do Templo faziam, queria perceber os mistérios que eram guardados na câmara principal. Queria dedicar-se a Apolo. Um dia, decidido em fazer parte do Sacerdócio, ele perguntou aos Sacerdotes, assim que estes apareceram, como poderia ele fazer parte do Templo. Como poderia ele entender os mistérios da câmara principal e juntar-se a eles, como poderia ele entender os mistérios da vida e da morte?

Um dos Sacerdotes mais velhos aproximou-se dele e disse-lhe:

– Salve amigo. Vejo que tens um coração puro mas ainda fechas os olhos quando o brilho do Sol te toca nos olhos pela manha. Sem entenderes a escuridão, não poderás perceber a Luz. 

– Eu quero fazer parte do Templo, quero saber e quero entender.

E o velho Sacerdote respondeu:

-Saber e entender são duas coisas diferentes. Tu sabes quem Apolo é, mas não o entendes. Para seres um Sacerdote tens de passar pelos ritos de consagração no Templo, tens de renunciar a vida mundana e tens de fazer sacrifícios. Tens de te transformar para que possas entender e não apenas saber. 

– Mas eu só quero perceber o que se passa la dentro. Quero perceber os mistérios.

E o velho Sacerdote respondeu: 

– Ícaro fez o mesmo e caiu. Não podes olhar o Sol directamente sem chorar. Choras porque a Luz queima aqueles que a olham directamente e se o fizeres mais do que uma vez e sem saberes como o fazer, ficas cego. 

– Mas eu entendo quem é Apolo, eu sei dos seus mistérios. São os mistérios mais profundos, os mistérios da vida e da morte que eu quero entender.

– Para isso terás de fazer o sacrifício e juntares-te ao Sacerdócio através dos ritos Sagrados. A escolha é tua – podes olhar o Sol directamente e tentar ver para alem dele, tentar perceber o que reside para alem da Luz. O mais provável é que fiques cego. Se te juntares a nos como irmão do Templo, terás de passar pelo Sacrifício e levar uma vida de trabalho e dedicação ao Templo e ao Deus.

– Mas não poderei eu perceber os mistérios sozinho?

– Podes, claro. Mas o teu “perceber” será limitado e provavelmente levar-te-á á loucura, pois os mistérios dos Deuses são maiores do que a vontade do homem e se a tua vontade for grande e se fores sábio, passarás as portas do Templo para que não fiques cego.

O homem ficou calado a reflectir. O velho Sacerdote sorriu, olhou o Sol e desceu devagar as escadas do Templo para se juntar aos outros Sacerdotes que há muito já se tinham ido e perdido na multidão. 

O homem nunca entrou no Templo, apesar do velho Sacerdote ter uma esperança secreta que ele o fizesse. O seu velho coração saltou, e ele sorriu, lembrando-se que ele próprio viveu naquelas mesmas escadas há muitos anos atrás. A diferença entre ele e o homem das escadas, é que ele passou por entre os dois pilares e juntou-se aos Sacerdotes. A vida do Templo não é para todos, e certamente que nem todos eram talhados para o Templo.

O homem das escadas continuou nas escadas por muito tempo e passado alguns anos, juntou-se ao exercito para defender a cidade e para garantir não ficar com fome nunca mais. Depois de alguns anos, ele voltou ao Templo, e subiu as escadas ate meio. Lembrou-se das palavras do velho Sacerdote. Ele entendia agora o que ele queria dizer. Nem todos pisarão os mármores sagrados das câmaras principais. Existem apenas alguns que o fazem, não por serem melhores, mas por serem mais generosos, pois abdicam de si próprios para que os outros possam desfrutar dos Templos. O homem das escadas, agora soldado, virou-se e desceu as escadas a chorar – agora ele entendia.

Karagan Griffith

Todos os Direitos Reservados (c) 2015